Pesquisar este blog

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

HERANÇA

Vamos vencer as revoluções
depois vamos nos transformar;
soltar os nossos dragões
e voar.

Vamos liderar os motins,
depois vamos nos embrenhar
em matas cheias de ilusões
e lutar.

Vamos começar as rebeliões,
vamos contornar os por quês;
vão nos revelar as mãos cheias...
de buquês.

Vamos propagar as insurreições.
Vamos questionar as religiões?!
Vamos comprar um pouco de fé,
ou até...

Vamos extinguir as guerras,
as mãos leves, os pés breves.
Vamos enxugar das feridas
nosso ardor...

Vamos vender nossos ideais,
nos acomodar em nossas poltronas
convencidos de não poder lutar mais...
Como os nossos pais...*


* Como disse Belchior.
[Adhemar - São Paulo, 14/01/2010]

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

"RE-CICLO"

"Dentro da névoa"
https://pixabay.com (intographics)

Vem lá de dentro
uma coisa indefinida
Sai de qualquer jeito
diz adeus

Não acena
nem olha nos olhos
diz adeus
e sai de cena

Mergulha sobre si mesma
rumo ao desconhecido
Nada de despedida
nem um papel

Vem lá de dentro
um vazio indefinido
que a coisa deixou lá
sem oi

Não há substituição
Não há matéria mais
nem alma nem condição
nem dica do que virá

Vem lá de dentro
um vazio invisível
que gesta outra coisa
pra se despedir

É preciso vir de fora a semente
silenciar
recomeçar
até tudo se repetir...


[Adhemar - São Paulo, 24/05/2014]

terça-feira, 28 de novembro de 2017

RASTREAMENTO

Uma nova órbita estelar,
uma trilha na montanha,
outra rota no mar.
Um sinal que acompanha,
um pulso, um quasar.
Partícula de matéria,
parece que a coisa é séria,
se esconde em qualquer lugar.
Um disfarce de mulher,
um esconderijo impopular.
Roteiro aleatório e vulgar,
um barco pra navegar fé.
Um sinal que alcança
o pulso do radar;
um sinal de esperança,
uma chance de encontrar.
Um recôndito recôncavo;
profundo, especular,
desligado e desconexo,
completamente fora do ar.
Um grande sinal do Universo,
impossível de captar.
Se não pegou nesse verso,
em nada mais vai pegar.


[Aadhemar - São Paulo, 10/01/2010]

terça-feira, 21 de novembro de 2017

CASA

Tudo passou tão depressa...
Uma surpresa tão linda...
E, finalmente, a saudade...

Um no outro ficamos
morando tão docemente...
Mas...
A vida ensinou a prudência
que inibe a intuição...

Tudo passou tão depressa...
E... 
Nos falta agora o carinho
daquele momento tão bom.

Mas... 
Podes crer no destino:
já moras no meu coração.


P/ MBM
[Adhemar - Pedro Juan Caballero, 27/07/1987]

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

ROTINAS

[Olhos_castanhos (arquivo de imagens da internet)]


Te encontrei ontem,
por acaso,
muito longe daqui.
Pra variar,
você bem na minha frente;
me olhando nos olhos,
como sempre.

Sustentei teu olhar,
olhos nos olhos;
tentando decifrar teus pensamentos,
teu sorriso,
teu ar enigmático e conciso.
Lembrar teu passado
e pensar presente.
Você lá, firme e parada,
olhando nos meus olhos,
como sempre.

Suspirei.
Não disse nada, nem tentei.
Mais uma vez te olhei,
olhos nos olhos,
fixamente.
Em seguida,
o álbum de fotos fechei;
e chorei o que tenho chorado,
como sempre...

[Adhemar - São Paulo, 17/03/2017]

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

METÁFORAS

Metáforas.
Fortes ou fracas.
Sutis, felizes ou opacas.
Explícitas, compactas.
Moeda de troca dos poetas.
Firmes.
Terríveis.
Incompletas.

Metáforas.
Bases de sonhos.
Operações delicadas.
Claras, inteligíveis, simpáticas.
Matemáticas.
Resumidas, práticas.
Metafóricas.
Sinceras.
Erráticas.

Metáforas.
Absurdas, enigmáticas...
Frutos ou sementes?
Promissoras.
Misteriosas.
Emblemáticas.

Metáforas.
Licenças poéticas,
sentidos adormecidos.
Simplificadas ou dialéticas.
Preferenciais ou sorumbáticas.
Paralelas.
Incorrigíveis.
Performáticas...


[Adhemar - São Paulo, 04/08/2017]

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

PATIFARIA MALANDRA

          A segunda parte do fato repetido. A traição da lembrança, o abandono. O raio que rompe o silêncio, o grito que causa o brilho. Estranho sentimento. A rima implícita no pensar. Escorre um líquido no peito, um pronto desaparece. A oração fora do modelo, a forma dentro dos ideais. O meio comporta o morto, aqui jaz um alienado. O fim nunca se justifica, nada há para explicar. O mau tempo alimenta, o medo é que faz diferença.

          Uma grande fechadura encerra mistério e arte. Curiosidade inerte, aflita e angustiada. Não dá pra rir dessa interferência. Mão levantada na plateia, anel brilhante. O reflexo que se mostra na pupila às vezes some. Roubar o mosquito da teia. A fome da aranha. Aprofundar o conhecimento. Encalhar. Braços abertos em cruz, nada de nadar. O fato elegante. A roupa da missa. A lista. O acréscimo da frase. O que significa. A relatividade do tempo. O vaso vazio. A carga caída, a mula empacada. Receita de bolo. Um ovo.

          A terceira parte do fato repetido. Trovões e tempestade. Um ritual pagão e a festa religiosa. Crença exposta. Tantas afirmativas sem perguntas, filosofias utópicas. Onde o mundo faz a curva, o horizonte entorta. A cabeça vai cheia de respostas. 

          As infinitas partes do fato que não se acaba; que vira notícia, novela ou conto. Pode ser mentira, romance, calçada. Pode ser uma fama fria ou só um grande tanto de palavras sem nenhum significado. Querendo dizer nada. Ou querendo dizer: nada!


[Adhemar - São Paulo, 09 a 30/10/2017]

domingo, 15 de outubro de 2017

OPÇÕES

          Assim, na continuidade do cotidiano irrefreável, um descontrolado choro de saudade do que não aconteceu; uma extraordinária saudade do futuro!

          Assim, viver o amanhã esquecendo hoje; a fome de hoje, o sono de hoje. Viver as delicadas relações sociais apenas para plantar, plantar e plantar. Mas o amanhã nunca chega; deixa-se apodrecer no pé tudo o que foi cultivado enquanto se pensava pra frente. Daí não se vê o entorno, o atual, as peculiares e maravilhosas circunstâncias de se viver o hoje, o agora, o aqui.

          Assim, é possível decidir entre mergulhar nessa pressa insana e doentia ou haurir em grandes sorvos cada momento; colher a tempo cada bendito fruto do que foi feito antes, com atenção e amor. Absorver os duplos e triplos sentidos das situações; desprender do tempo inalcançável o nosso perfil de viver. Somos muitos, há muita gente para fazer o mundo; não precisamos fazer tudo e nem sozinhos. O que começou lá pode bem acabar aqui. O que não está começado não tem pressa. Leia, o próximo escrito, amanhã.


[Adhemar - Santo André, 30/08/2005]

sábado, 7 de outubro de 2017

"MATRISTIZES"

Luz transversa.
Afinidades forçadas.
Procuradas entrelinhas.
Platão absoluto,
resoluto, outras vidas.

Vidro opaco.
Vidraça aberta.
Garrafa derrubada de outras vinhas.
Cadeira que sentada,
uma estrada e muitas linhas.

Olhos turvos.
Lágrimas secando ressentidas.
Porta fechada.
Pedra surda,
muda a vida.

Verso inverso.
Afinidades inventadas,
desesperadas e mortinhas;
qual a esperança,
desencanto e mão vazias...

[Adhemar - São Paulo, 22/02/2017]

domingo, 1 de outubro de 2017

PROFISSÃO: PRESTIGITADOR

Assim como tantos, deixei-me aprisionar pelo convencional, pela formalidade implícita nas relações comerciais. Assim como tantos, descobri que essa realidade é a máxima dedicação empregando o máximo conhecimento que pudemos acumular para bem servir a troco de um mínimo - costumeiramente - de remuneração. "É o mercado", dizem sempre os beneficiados.

Assim como tantos, aprendi que o "mercado" são outros tantos profissionais desesperados, oprimidos e necessitados que acabam competindo às avessas nesse leilão invertido em valores na demanda de serviços. Assim como tantos, precisei viver como um mágico para sobreviver pagando contas e reinventando truques para me manter e à família.

Assim como tantos, estou precisando tirar um elefante da cartola.



[Adhemar - São Paulo, 25/09/2017]