Pesquisar este blog

sábado, 28 de fevereiro de 2009

CONTRAMÃO

O coração tremeu de frio.
Encolhido no seu canto,
tão quieto e tão sem espanto,
tão calmo e tão gentil...

Espera o calor de algum ponto,
mistério do coração tão discreto:
com frio mas de orgulho ereto,
não revela o seu terno encanto.

A magia de tanto segredo
é o amor que ele leva guardado;
o calor do beijo esperado
que ele espera tão firme e sem medo.

Mas se tudo for assim mesmo,
por que é que ele treme de frio?
Relembrar só lhe traz arrepio
pois busca o amor meio à esmo...

Ela está distante a tal modo
que ele se sente sozinho.
A incerteza da volta é o caminho
do coração que não a tem ao seu lado.

Este verso ficou complicado
como tudo o mais do amor.
Ele dela não tem o calor
mas espera fiel e calado.

Amar de verdade é assim:
um gostar tão sem limite
que nem de leve admite
que ela não goste de mim...

P/BSF
[Adhemar - São Caetano do Sul, 17/03/1988]

sábado, 21 de fevereiro de 2009

RESGATE


Passei na loja de penhores
e lá deixei
uns tantos antigos amores:
- fora de hora
- usados
- gastos
Alguns sem brilho,
meio embaçados;
alguns sem uso,
mesmo assim meio estragados.
Tinha uns fora de moda,
tinha muitos fora dos trilhos.
Outros tantos
totalmente por fora...
Inesperados?
Quilos e quilos!

E lá na loja de penhores
deixei também:
- amores não correspondidos
- amores pequenos
- romances compridos
Tudo apurado,
não deu vintém.

Passei então
com toda essa carga emotiva
no estabelecimento
de lixo reciclável...

[Adhemar - São Paulo, 27/06/2008]

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

AMIGOS

Amigo é aquele ser intangível
que não exige de nós
o que não podemos lhe dar.
E a quem, curiosamente,
damos sempre o melhor
sem que ele peça
e nem mostre precisar.

Tudo isso acontece sem que se note.
Amigo é presença constante
sem ser preciso estar.

Amigo é sangue da gente,
cuja dor dói na gente
e a felicidade da gente
fica dele também!

A amizade é o olhar;
cumplicidade silenciosa
e atenção permanente.

A todos os meus amigos, inclusive os daqui, mesmo os nascidos depois deste escrito!
[Adhemar - São Paulo, 24/08/1987]

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Cuidados cacos...

Uma cacofonia sinfônica reverbera no lugar dos pensamentos;
uma sinfonia sem cautela,
uma sucessão de acontecimentos -
sem sucesso, sem tutela.

Ruídos intermináveis confundindo a cachimônia
numa tal sem-cerimônia
que irrita e embevece.
Emociona-se na balbúrdia que tortura e envelhece.

Uma súbita vontade de partir para o silêncio e a sombra.
Uma viagem sem retorno
para além de onde se assombra,
para onde não há extremos de frio, de quente ou morno.

Um extremo bem no centro
sem média, sem mídia, sem fama.
Um lado externo por dentro,
um pântano sem lama.

A barulheira arrepia no lugar dos pensamentos.
Um dia após outro dia
na crista dos acontecimentos;
tranquilidade arredia...

[Adhemar - Sto. André, 21/08/2008]

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Dificuldades

Ganhar, perder, atirar-se na aventura;
vez por outra se recolher.
Estratégia, atitude, planejamento, improviso.
Dar margem à dúvida, dar segurança,
ter o que oferecer.

Usar a experiência e ter olhos de aprendiz.
Aperfeiçoar-se e novas coisas descobrir.
Ter o mundo a sua frente, caminhar em frente
sabendo aonde ir:
ao desconhecido, ao novo, seja lá onde for.

Preparar-se com a própria coragem, com vontade,
com a curiosidade saudável dos aventureiros;
mesmo sendo metódica e organizada,
conservadora e prudente.

Perder, ganhar, atravessar parte do mundo
para conhecer determinados lugares desejados.
Intuir, absorver os ambientes,
interagir com praças, construções e monumentos
como se fossem o seu próprio lar.

Depois de tudo isso retornar
mais cheia de idéias,
mais cheia de vida
e mais cheia de histórias pra contar.

P/ SM
[Adhemar - 20/04/2008]