Pesquisar este blog

terça-feira, 30 de junho de 2009

Infância

Tem horas que a vida parece música de Bach: uma interminável introdução. A gente vai caminhando de olhos fechados - ou olhando de lado - no rumo do abismo. E não para. A gente está na iminência de fazer uma besteira, e não para. Aí a gente vê que não é mais criança, bate uma saudade danada dos pés de milho, da casca da espiga, de subir em árvore, assustar passarinho, ver carreira de formiga, fazer brinquedo de galhos e pedras, jogar bola na lama, sequestrar as bonecas da irmã, resgatar amigos imaginários, casar com a moça mais bonita do sonho e não querer tomar banho! Lambuzar a cara de doce, brincar no castigo, ler gibi dentro do livro ao invés de estudar... Falar palavrão e ficar repetindo, esquecer papel de bala no chão...

De repente acorda do devaneio, vê que não é mais criança e chega a conclusão de que ser gente grande é um saco! Mas descobre que a criança ainda existe e se a gente deixar ela triste aí é que complica mais!

E não sai da introdução...

[Adhemar - Santo André, 13/10/2008]

Um comentário:

Magnólia-menina disse...

Belissimo texto ...
Me indentifiquei bastante com algumas que você escreveu :)

bom é isso...
Um grande abraço !