sábado, 22 de agosto de 2009

Carta de amor

Amada.

Por que e pra que são as únicas perguntas. Lembrar de você, pensar e desesperar num nó: esquecido por ti me pergunto por que. Por que tua obsessiva presença nos meus sonhos? E nos meus pensamentos? A razão da procura está em cada canto onde passo.

Músicas sensíveis me retiram da realidade e me fazem procurar-te no mais alto onde tu possas estar. Depois, o pensamento se desvia, eu fico triste, registro no bloco os pensamentos opressivos - nesse calor que tua lembrança me traz... Mais uma vez estás aqui, tão viva que já nem posso ver a tua flor.

Sinto vontade de escrever, chorar, escrevo e choro numa esperança insana de te comover; choro pela tua flor morta nessa minha inépcia de te amar desesperadamente...

E é só o que posso fazer.

P/BSF
[Adhemar - São Paulo, 12/10/1987]

Flor morta

Originalmente poesia, este texto foi "ajeitado" para ser enviado ao blog "Duelos Literários". Passem por lá!

Adhemar, 22/08/2009.

Um comentário:

shintoni disse...

Adhemar:
Muito bom ter sua participação no Duelos!
Como esta Carta de Amor faz parte do Tema do Mês, já incluí seu nome na lista dos participantes com link para seu blog e ela será postada no dia 31/08, ok?
Valeu mesmo! Inclusive por citar o Duelos neste seu post!
Abração e ótimo final de semana!