Pesquisar este blog

sábado, 3 de outubro de 2009

Soneto para adiante


No indevassável adiante estás ausente,
na bruma espessa do incerto tu sumiste.
Na minha busca inconsolável e inconstante
tua imagem em meu coração insiste.

Em cada verso mais alegre ou no mais triste,
tua presença é tão certa quão vibrante.
E nessa lida ilusória ainda existe
a esperança eterna e tão arfante.

E no soneto mal composto e embaraçante
o coração que está orando não desiste;
vai além olhando a estrela mais brilhante.

Silencioso em seu torpor inebriante,
pensa em voltar ao primeiro onde tu o viste
e te encontrar no indevassável adiante!

P/ BSF
[Adhemar - São Paulo, 30/09/1987]

Soneto... para trás?!

Quando achei este texto me veio a mesma sensação que tive logo após escrevê-lo: "fui traído por minha memória e acabei reproduzindo algum soneto dos nossos grandes poetas clássicos..." (há uma anotação ao lado do rascunho mandando verificar). Por via das dúvidas, resolvi reler alguns (obedecendo ao meu próprio conselho), desde o Barroco - Gregório de Matos - passando pelo Classicismo - Cláudio Manoel da Costa e Thomás Antonio Gonzaga. Não deixei de fora os Românticos - Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo, Fagundes Varela, Casemiro de Abreu e Castro Alves - nem o Parnasiano - Olavo Bilac. Foi um prazeroso reencontro. Posso dizer que não encontrei nada semelhante embora não possa negar a influência ou a canhestra intenção de imitá-los. Eu, que não sou de gostar muito da maioria do que escrevo, me atrevo a confessar que é meu escrito predileto. Mas, se alguém identificar algo parecido, por favor, me avise enviando o escrito e o nome do autor. No entanto, se por acaso fui eu mesmo que produzi isso aí, dá licença...

Adhemaisconvencidoimpossível! São Paulo, 03/10/2009.

Um comentário:

Adh2bs disse...

Comentário por Tatiana — sábado, 3 de outubro de 2009 (11:32:30)
Não se preocupe, eles não o acusarão de plágio. Estão todos dormindo, estão todos deitados, dormindo. Profundamente.

Comentário por Selma Barcellos — domingo, 4 de outubro de 2009 (19:20:27)
Pode se dar licença, Adh! Poeta para já e adiante. Belo o soneto!
Grata pela visita. Deixei recado por lá.
Abraço.