domingo, 29 de novembro de 2009

CÉUS

Tarde quente,
outonal em pleno inverno;
vai entorpecendo lentamente
um esquecimento interno.

Tarde azul,
uma clara cor fixada ao firmamento
ensolaradamente azul,
perdida, enevoada num aquecimento.

Tarde dourada,
num vigoroso contraste cromático
deixando a paisagem emoldurada,
proporcionando um irreal fantástico.

Tarde morena,
deslizando suave pelo asfalto;
um abraço tépido, cálido e sereno
tratado então assim, meio por alto.

Tarde quente,
Encerra em si tanta preguiça,
tanto riso, tanta alegria tão contente...
Não se apressa nem se adia: se conquista!

[Adhemar - São Paulo, 17/08/2005]

sábado, 28 de novembro de 2009

Amor de peixe

Amores cíclicos ou amores ondulados?
Andar em círculos? Retornar ao passado?
Amor de circo, palhaçadas...
Máscaras, saudades, outras vidas e paixões.

Peixes, ah os peixes...
Deixe o francês ensimesmado
enquanto voa o seu amor desencantado
que saudoso, arrependido ou fragilizado,
volte como sempre,
volte outra vez...

P/ LMMM (comentário no post “A lenda do peixe francês” (24/10/09) no blog http//musicartepoetica.blogspot.com)
[Adhemar – São Paulo, 02/11/2009]

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Selma em Cascais

Que veia poética na prosa fluente,
essa em que uma ponta de saudade já se sente,
mesmo estando aí,
e bem contente!

Sobre a Cascais de cá eu digo agora,
está um cantinho a povoar-se de pequenos edifícios
que assim ao ver-se pelo lado de fora
denunciam de verdade o meu ofício.

Tua Cascais, por certo, é mais bonita,
esteja bem, esteja atenta pra contar
aos teus fãs sobre essa terra bendita
onde aos teus queridos foste encontrar!


P/ Selma Barcellos (http://www.tiaselma.com/2009/11/sinal-de-vida)
[Adhemar – São Paulo, 25/11/2009]

sábado, 21 de novembro de 2009

Fim do mundo

Sei fazer cerveja com água salgada;
já sou lacaio de muita gente,
um patrão só não seria diferente;
tenho medo de jacarés,
mas não dos que estão aos seus pés;
fluente em marcenaria...

Só que eu não iria,
não tomo cerveja quente
e seria uma teia de enganos.
Valeu, agradeço a oferta de emprego,
mas já tenho os meus próprios planos...

P/ Ninguém Envolvente (http://naoseenvolva.blogspot.com/2009/11/2012)
[Adhemar - São Paulo, 21/11/2009]

RITMO

Aberto o compasso, o espaço, o espelho.
Aberto o assunto, juntos os joelhos.
Falar do que é complicado,
mexer na ferida aberta.
Aposta no próprio coelho,
no favorito disparado,
aposta na aposta certa.

Não se aposta na aposta certa,
é feio, é descarado.
Descartado na testa,
na festa, almoxarifado.
Reserva do que é preciso,
precioso e protegido;
conserva do que é juízo,
protesto,
modo conciso.

No afago, apego e afeto,
no rosto um gosto disposto;
Nos pés, um passo mal dado,
nos dedos, um gesto amargo.
Parado também é pressa,
a presa, do espreitado.
No ar o assunto é vago,
fechado o primeiro compasso.
No ar um adeus ao espaço
do espelho embaçado.

[Adhemar - São Paulo, 18/11/2005]

terça-feira, 17 de novembro de 2009

DESTERRO

Exílio.
Uma ausência forçada.
Uma expulsão indireta.
A gente fora do nada.

Auxílio.
Um socorro de repente,
ajuda anunciada
para um apelo urgente.

Exílio.
Saudades da pátria amada.
Morada em terra estrangeira,
prometida e indesejada.

Auxílio.
Uma passagem pra frente,
para apoiar - interesseira -
a mão estendida e pedinte.

Exílio.
Uma solidão desacompanhada
não tendo ninguém por ouvinte
da queixa mais que magoada.

Auxílio.
Uma emboscada,
um desarme consciente
para uma alma exilada...

[Adhemar - Ibiúna, 27/10/2009]

domingo, 15 de novembro de 2009

Botânica

Um viajante anônimo observa
o movimento vital numa paisagem.
O amor na natureza manifesta
uma época de típica estiagem.

O amor é como a flor, sem água seca,
'inda que da melhor terra se alimente;
mas se de tal cuidado não se cerca,
ele padece em sofrimento, está doente.

Enfim, em todo caso, haja coragem!
E, se a timidez o desalenta,
no dizer palavras ele enfrenta...

A pior ou qualquer tormenta da viagem;
e, se de uma centelha ele se incensa,
de uma grande emoção se recompensa!

[Adhemar - Cuiabá, 22/07/1987]

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Entroncamento

Diante da dúvida eu me deito
de costas para a areia,
de frente pro céu azul.
ou pássaros voando,
ou as estrelas do cruzeiro do sul.

Diante da dúvida eu invento
outros caminhos mais serenos
enquanto a mente entremeia
pesamentos mais leves
para problemas pequenos.

Diante da dúvida eu respiro,
abro os braços e pergunto:
- o que queres, me explique,
se explique, que eu me viro
ou simplesmente mudo de assunto.

Diante da dúvida eu cumprimento,
peço licença e vou saindo...

P/ Gaby(http://gabysp.wordpress.com/2009/09/16/duvidas)
[Adhemar – São Paulo, 16/09/2009]

domingo, 8 de novembro de 2009

BIDIVISÃO

Machadada,
coco rachado;
metade pra cada lado,
dívida, dúvida
e um mal pago.

Facada,
queijo cortado.
Já não serve pro provérbio,
nem pro ditado.

Agulhas,
botão costurado;
tesoura,
pano cortado.
O que da união faz o açúcar
o calor o faz melado.

Unha -
migalha pela metade.
Tudo se divide,
infinitamente,
basta um pouco de vontade!

[Adhemar - São Paulo, 23/07/2009]

sábado, 7 de novembro de 2009

Sonhos... 40

UM DIA,
UM BELO DIA,
NASCEU UM SONHO.
UM SONHO TAL COMO OUTROS TANTOS,
MAS ENFIM TÃO VIVO,
TÃO PRESENTE,
TÃO NECESSÁRIO E TÃO REAL
QUE SE TORNOU A COISA
MAIS IMPORTANTE DA VIDA.
A CONSTRUÇÃO DESSE SONHO QUE NASCEU
É DIFÍCIL E MUITO COMPLICADA;
MAS TÃO EMPOLGANTE, TÃO DECISIVA,
QUE DECIDIR PASSOU A FAZER PARTE
COTIDIANA DESSE SONHAR
MAIS E MAIS A FRENTE,
SEMPRE ESSE SONHO.
E QUE SATISFAÇÃO
EMBALÁ-LO POUCO A POUCO,
TÊ-LO ENTRE AS MÃOS
TAL E TANTO,
QUE TANTO MAIOR PARECE
A CADA MOMENTO.
E FAZÊ-LO TÃO LINDO
QUANTO MAIS A IMAGINAÇÃO PERMITIR
É A ÚNICA E VERDADEIRA OBRIGAÇÃO
DE QUEM VIVE.
PODE SER O SONHO DE CADA UM
MAS É, PRINCIPALMENTE,
O SEU SONHO.

P/ Alexandre Augusto Braga de Souza
[Adhemar - São Paulo, 07/11/1987]

Sonhos... 18

Texto escrito assim mesmo, em letras maiúsculas, para o meu mano caçula, Alexandre, no dia de seus dezoitos anos. Nem sei se a gente sabia do que estava falando ao se referir a sonhos... À faculdade de agronomia? À experiência (internacional!) em irrigação? Ao saneamento ambiental (competência mais que reconhecida com nosso mano Álvaro!)? À Bia, sua linda filha? Enfim, aceite o abraço do seu mano véio ao reproduzir aqui o tributo aos seus dezoito anos bem no dia dos seus quarenta. Sucessos e felicidade, que você bem merece.

Adhemar, 07/11/2009.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

BENS

Por vezes é preciso analisar cuidadosamente o tempo disponível e gastá-lo todo num planejamento meticuloso do que poderia ser feito por ele mesmo - durante esse próprio tempo - sem maiores elucubrações. Depois, sair correndo atrasado, pois o planejamento do tempo gastou o tempo antes livre. Acumularam-se tarefas por fazer, acumularam-se atrasos. Tornou-se essencial resistir às provocações que serão outras atividades criadas, surgidas do nada e para nada destinadas.

Tal como um passatempo, passar a vida rogando por mais tempo e por mais tempo a fim de que seja o bem mais precioso e mais empobrecedor da nossa existência. Rezar com fervor para não sermos cobrados pelo tempo que desempregamos. Até nos despedirmos, como faço agora, pois estou sem tempo pra continuar esta lengalenga "destemperada"...

[Adhemar - Santo André, 15/01/2007]

E por falar em tempo...

Um afetuoso abraço e um terno beijo à minha madrinha, mãe de minha mãe, a Vó Júlia. Completa hoje 95 anos de existência, quase toda ela voltada para a família: além dos próprios pais, irmãos e irmãs, o Vô, as 5 filhas, 12 netos, 13 bisnetos e uma tataraneta! Incontáveis amigos e admiradores. Será que contei direito? Hoje, o fã clube vai se reunir em torno dela (uma de suas maiores alegrias). Até já, Vó!

Adhemar, 02/11/2009.

domingo, 1 de novembro de 2009

Implicâncias desérticas

No auge do trajeto, pouso forçado.
Deserto.
Uma inundação de nada,
absoluta e refratária.

Nos olhos,
um brilho dolorido por todos os lados.
Uma única fumaça sai da lata arregaçada.
Narinas ressecadas, pulmões opressos.
Um enorme calor apavorante,
pés inchados.

No mais alto,
um inclemente azul rascante.
Nem garganta, nem dentes.
A boca faz o gesto desnecessário
a procura do que não há,
dentro da sede.

Fusão de pensamentos.
Fusão de areia e céu no horizonte.
Elétricas tempestades,
elétricas ausências;
as mãos inquietas
evitando acenos vãos.

Visão de oásis,
folha quebrada pelo inexistente vento.
A mais absoluta solidão
entrando dentro,
numa discreta algazarra
de abandono e lassidão.

[Adhemar - São Paulo, 28/07/2008]