Pesquisar este blog

sábado, 21 de novembro de 2009

RITMO

Aberto o compasso, o espaço, o espelho.
Aberto o assunto, juntos os joelhos.
Falar do que é complicado,
mexer na ferida aberta.
Aposta no próprio coelho,
no favorito disparado,
aposta na aposta certa.

Não se aposta na aposta certa,
é feio, é descarado.
Descartado na testa,
na festa, almoxarifado.
Reserva do que é preciso,
precioso e protegido;
conserva do que é juízo,
protesto,
modo conciso.

No afago, apego e afeto,
no rosto um gosto disposto;
Nos pés, um passo mal dado,
nos dedos, um gesto amargo.
Parado também é pressa,
a presa, do espreitado.
No ar o assunto é vago,
fechado o primeiro compasso.
No ar um adeus ao espaço
do espelho embaçado.

[Adhemar - São Paulo, 18/11/2005]

Nenhum comentário: