terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Deveres


Antigamente - ou de vez em quando -
uma história definia uma palavra.
Raramente - ou de vez em quando -
uma palavra identificava a história.

Uma palavra era motivo
para uma intensa reflexão.
Ou uma história era pretexto
pra se escolher uma palavra
que a representasse por ser fora do contexto.

Mistérios da criação?
Falta do que fazer?
Há quem considere essa história
de palavras, de escrever,
como pura vagabundagem:
assumo-me vagabundo então.

Hiatos de tempo preenchidos
com alguma imaginação.
Verborréia desvairada
ou desabafo intempestivo
como solene obrigação.

Versos quebrados, sem rimas,
sonoridade perdida por tradição.
Palavras se misturando,
critérios indistinguíveis,
moleza e afobação.

Uma oportunidade,
uma boca livre,
lápis e papel na mão.
Um acaso qualquer vira assunto,
um assunto qualquer, ocasião.

Aos trancos, barrancos e engasgos
desabam textos de montão.
Papéis cansados, aos rasgos,
contendo tanta bobeira,
tanta filosofia de balcão...

Até que chega o momento:
seca o fluxo, o exagero.
O vagabundo levanta, boceja,
abre os braços, se espreguiça.
Relê distraído o produto
que saiu de sua cabeça;
faz um muxôxo, despreza,
estala a língua na boca;
dá uma volta na praça
e só mesmo por muita pirraça
guarda o delírio no bolso...

[Adhemar - Ibiúna, 27/10/2009]

4 comentários:

busquesantidade disse...

Que vagabundos, que nada Adhemar! Escrever da forma que você escreve é coisa de Escritor, com "E". Sei que quando você escreveu isto e assim, deve ter lá seus motivos. Mas a verdade é que ESCREVER é um dom que Deus dá a poucos... Muito poucos... Inda bem que entendeu isso, né mesmo? Forte abraço de filha de mineiros. E continue enchendo nossas vidas, ou melhor, preenchendo nossas vidas, com aquilo que você me parece fazer de melhor: ESCREVER. Abraço fraterno. Lourdes.

... disse...

Vou musicar...

Cacá disse...

Ah, Adhemar, quiséramos o mundo fosse assim composto de tantos vagabundos da palavra. Já pensou que maravilha seria essa malandragem? Lindo demais, meu caro! Abraço.

Adh2bs disse...

DO OUTRO BLOG;

Comentário por Selma Barcellos — quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010 (01:02:00)
Sim, nossos delírios são nossos mistérios da criação. Geralmente, ótimos, reparou?
Beijocas e beijocas.

Comentário por Tatiana — sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010 (19:45:42)
É verdade. Nunca tinha pensado no fato de que palavras ou o simples ato de escrever pudesse ser vagabundagem. E é! Enquanto escrevemos, ocupamos o tempo que poderíamos estar a refletir…
Beijos,
Tati.