Pesquisar este blog

sábado, 10 de julho de 2010

Nuvens, poeira invisível


Uma voz deliciosamente rouca canta uma canção ao fundo. Emenda pensamentos desconectados, onde será que esqueci minha gravata? Perdas e ganhos num balanço mudo. Campos cultivados avistados da janela do trem. Um deslizamento silencioso e rápido, caminhos paralelos. A companheira adormecida sonha um desenlace desejado. Cargas literalmente pesadas, caminho longo, teste difícil. Uma teoria, explicações técnicas e científicas. Como os pássaros, migramos para o sul. Interrompidos, nos movemos lentamente enquanto um frio envolvente nos abraça. Espero que a névoa no horizonte seja só mau tempo. Flutuações oscilantes, desvio imprevisto, rota aventuresca. Do pó viemos, no pó estamos, do pó fugimos e ao pó retornaremos!

[Adhemar - Itália, a caminho de Roma, 20/04/2010]

Projeção holográfica - Fieramilano Tortona (foto:SM)
Projeção holográfica - Fieramilano Tortona (foto:SM)

Instalação no evento fora da feira de mobiliário e design de Milão (na região da Tortona). O chão coberto de folhas e a cadeira estão no cenário (real). A mulher e a sombra são projeções em 3D, ela fica caminhando de um lado para outro, perto da cadeira, e a sombra acompanha. Se não é genial, ao menos é bastante intrigante.

Adhemar

3 comentários:

C@urosa disse...

Meu caro amigo Adhemar bom final de semana.
para refletir:
A verdade alivia mais do que magoa. E estará sempre acima de qualquer falsidade como o óleo sobre a água.

(Miguel de Cervantes)

forte abraço

C@urosa

finityster disse...

Olá, Adhemar,
0brigada pela sua visita no quero que você leia.
Seus comentários são tão lindos que dá vontade de postá-los no blog, por isso assim o fiz.
Bela a imagem, seu pensar colocado no blog, suas poesias... Quando passo por aqui, o que ocorre diariamente, dá vonrtade de não ir embora, tanta é a profundidade do que vc expõe.
um grander abraço, meu e do Jorge que faz das minhas, as palavras dele.

Adh2bs disse...

Comment by Selma Barcellos — Sunday, 11 de July de 2010 (22:50:15)
Tem razão... Bem boladíssimo! Criatividade inesgotável da qual somos capazes. Beijocas.