sábado, 31 de julho de 2010

Pouso forçado


Em meio a tanta agitação,
uma parada.
Peremptória, obrigatória,
aparentemente sem sentido,
aparentemente contramão.

Uma parada sem escapatória,
incomparada,
incompreensível na rotina,
sem parâmetro definido,
sem referência nem glória.

Uma crise assim, meio cretina,
destemperada,
mas feita de forma destemida,
sem alarde, sem ruído
e de forma paulatina...

Uma parada bem no meio da avenida,
desencanada,
num ponto qualquer da história
mal contada num tom desinibido
bem no meio da loucura desta vida!

[Adhemar - São Paulo, 16/07/2009]

Um comentário:

Adh2bs disse...

Comentário por José Cláudio (Cacá) — domingo, 1 de agosto de 2010 (06:02:50)
Eu costumo dizer que a vida às vezes coloca uma urgência na nossa frente, sem que saibamos de onde ela vem nem pra onde quer nos levar. Uma urgência que acaba virando angústia.
Pouse suave, meu amigo! Abraços. paz e bem.