sábado, 28 de agosto de 2010

AO PORTADOR


Nos contrastes pode-se encontrar algumas semelhanças. Contraste, encontro: palavras parentes. Na dessemelhança há uma certa parecença; nativa, arraigada e pontual. Nas igualdades acham-se diferenças, ocultas ou bem procuradas mas presentes.

Quem tem coragem esconde a covardia de não ter medo; os intrépidos só o são com certa prudência, como a saciedade dos famintos. Ao menos há o consolo de se chorar magoado. Grandes ódios abafados pelo amor do inimigo.

Malas pesadas pelas culpas e pelas vísceras reviradas de um enjôo assentado por uma solução básica - mas amarga! Erros e acertos compensados pelo fracasso chamado de experiência. Sucesso, então, aos empreendimentos errados.

Consumir os produtos vencidos antes do prazo de invalidade; escolher-se - compulsoriamente - os piores aspectos da feiúra enfeitada, disfarçada em beleza, em atitude ativamente desligada.

[Adhemar - São Paulo, 17/08/2005]

Um comentário:

Adh2bs disse...

Comentário por josé cláudio - Cacá — domingo, 29 de agosto de 2010 (05:13:57)
Um belo exercício de dialética da alteridade. A negação, a descontrução e as proposições com novas perspectivas. Muito legal isso, Adhemar! Abraço grande. Paz e bem.