Pesquisar este blog

domingo, 31 de outubro de 2010

Comunicação íntima

Espaços abertos espaços
horizonte variado
desenho de poucos traços
andança de muitos passos.

Emorração, colina, vertente
paisagem feito um achado
um verde e um azul sem repente
e mais coisas feitas por gente.

Acenos, alôs e abraços
histórias de um encantado
um circo, bichos, palhaços
trovões e ventos esparsos.

Encanto, magia, presente
terreiro, café espalhado
perfumes, sabores que sentem
alma e corpo contentes.

Lagos, cachoeiras, regaços
amor, carinho e cuidados
agradáveis cenário e ambiente
corpo e alma descansados...

[Adhemar - Santo Antonio do Amparo, 09/07/2006]

sábado, 30 de outubro de 2010

SEM RASCUNHO

Mudanças.
Como alguém indo morar na casa da filha.

De emprego.
Necessária mas temida,
dezena de razões para sair,
uma poderosa razão para ficar.

Bandeiras.
Oscilando pra lá e pra cá.

Política.
Todo mundo precisando
de uma visão mais feminina no poder;
mas inclusive e principalmente mulheres
não querendo reconhecer...

Resistência.
Ao massacre nos conflitos de opinião.

Equipamento.
Novo instrumento de comunicação
e de trabalho
e diversão!

Véspera.
Tudo isso a um passo dos dias que virão.

Registro.
Espaços abandonados
retomados com a mesma alegria de sempre
e muita empolgação.

[Adhemar - São Paulo, 30/10/2010]

Mudanças...

Um mês e tanto, este outubro, acho que nem quando viajei fiquei tanto tempo sem vir aqui. Ainda bem que não ganho por post! Enfim, como se diz no interior, "ói nóis aqui traveiz!"

Boa eleição a todos.

Adhemar, 30/10/2010.

domingo, 3 de outubro de 2010

Ressurreição

Vou despertar lentamente
dessa longa noite adormecida
ao ver o sol brilhar intensamente
e a passarada gorjear enfurecida

Vou espreguiçar solenemente
expulsando a moleza recolhida
e ouvir a brisa docemente
farfalhar na flor mais colorida

Vou bocejar assim tão insolente
como a engolir a luz amanhecida
até que apareça à minha frente
uma aura de cor esmaecida

Vou então estar tão diferente
que não haja coisa parecida
nem antes nem depois e nem presente
nessa aura mais que multicolorida

Vou enfim adormecer eternamente
na emoção pra sempre enternecida
para depois levantar triunfalmente
renovado e até que enfim voltar à vida!

[Adhemar - São Paulo, 01/09/2006]

sábado, 2 de outubro de 2010

MEMORIAL

Por amor deixei sangrar meu peito
como numa velha canção emocionada;
por amor ensaiei chorar direito
sofrendo em verso e prosa cantada.

Por amor deixei açoitarem minhas costas
como um velho escravo quando sofre;
por amor eu perguntei por que não gostas
do meu velho sentimento terno e nobre...

Por amor escreverei tudo o que eu penso
não importando mais se vais saber.
Por amor estarei distraidamente atento
enquanto espero se vais ler.

Por amor não deixarei versos inacabados
nem flores murchas ou abandonadas,
Por amor terei sentimentos alados
e comandarei todas as esquadras.

Até que tu saibas então o quanto amei
por amor - o teu amor - intensamente.
E quando ao céu os meus braços levantei
foi por amor, para te louvar pra sempre...

[Adhemar - São Paulo, 27/10 a 15/11/2009]