sábado, 2 de outubro de 2010

MEMORIAL

Por amor deixei sangrar meu peito
como numa velha canção emocionada;
por amor ensaiei chorar direito
sofrendo em verso e prosa cantada.

Por amor deixei açoitarem minhas costas
como um velho escravo quando sofre;
por amor eu perguntei por que não gostas
do meu velho sentimento terno e nobre...

Por amor escreverei tudo o que eu penso
não importando mais se vais saber.
Por amor estarei distraidamente atento
enquanto espero se vais ler.

Por amor não deixarei versos inacabados
nem flores murchas ou abandonadas,
Por amor terei sentimentos alados
e comandarei todas as esquadras.

Até que tu saibas então o quanto amei
por amor - o teu amor - intensamente.
E quando ao céu os meus braços levantei
foi por amor, para te louvar pra sempre...

[Adhemar - São Paulo, 27/10 a 15/11/2009]

2 comentários:

Rob Novak disse...

Estar distraidamente atento é uma arte. Poucos a detém.

Ótimo poema!

Abraços!

Adh2bs disse...

Comentário por Tainá — domingo, 3 de outubro de 2010 (13:08:52)
Olá!!
Nossa que lindo… Muito bonito mesmo! Nem sei o que dizer!!

Comentário por Tainá — domingo, 3 de outubro de 2010 (13:11:25)
E referente ao google, achei errado eles terem coletado as informações de wifi do pessoal (embora eles dizem que foi acidente), mas melhora e muito em termos turísticos! A gente vê pelo google e morre de vontade de conhecer pessoalmente!!