sábado, 20 de novembro de 2010

ATÉ QUE ENFIM

Até que enfim,
um evento inesperado,
uma repentina alegria,
uma triste despedida:
até breve...

Até que enfim,
um sorriso forçado,
uma falsa segurança,
um novo desafio,
apaixonado...

Até que enfim,
uma novidade tardia,
um alegre bom dia,
um futuro...
Encomendado!!!

[Adhemar - São Paulo, 15/01/2009]

2 comentários:

M. Sueli Gallacci disse...

Linda poesia, Adhemar!

Me levou a pensar que sempre estamos esperando por alguma coisa nova que nos motive a continuar na jornada... É um esperar sem fim que fazem os dias ficarem mais longos e os anos mais curtos.

Parabéns por tanta sensibilidade.

Um gde bjo e boa semana.

Adh2bs disse...

Comentário por jose cláudio - Cacá — terça-feira, 23 de novembro de 2010 (17:30:35)
Quanto menos ressonância se acha para as inquietações mais a consciência fervilha , numa ebulição de moléculas desorientadas. Dizem que o pensamento não é matéria, então pergunto: por que as inquietações pesam tanto? Abraços, meu amigo! Paz e bem.