sábado, 21 de abril de 2012

VÁCUO

Salto no espaço, no escuro.
Salto sem rede. Sem rede?
Um salto rumo ao futuro,
um salto na fome, na sede.

A conquista de um novo espaço, ou luz.
Girando os braços em torno da liberdade;
ou esperando, os braços em cruz,
a conquista da realidade...

Primeiro momento, compasso de espera;
primeiro instante, como um alimento,
energizando, inspirando na esfera
preâmbulo do acontecimento.

E na posição clara do objeto,
do fato sem esmorecimento
é que ficam os anjos mais perto
de amores e de sentimento...

[Adhemar - São Paulo, 12/08/2009]

Descompressão

Não gosto deste texto, mas agora veio parar aqui... Parece um rascunho incompleto, sei lá. Sinto muito.

Adhemar, 21/04/2012

Nenhum comentário: