quarta-feira, 26 de junho de 2013

INDAGAÇÃO

Às vezes surge uma pergunta
que se julga irrespondível.
Vem altiva, presunçosa e prepotente
e totalmente irresponsável.
Chega do nada, envaidecida e desvairada
como se única;
essa pergunta, irriquieta e assanhada
surpreende, provoca e arrebata,
causa espanto, causa pasmo e atrapalha
de tão sem nexo e de tão descabelada.
Essa pergunta caída de repente,
malevolente e mal intencionada
só quer por fogo em nossa vida atribulada.
Essa pergunta atrevida
apesar de tão dissimulada
é uma prensa que nos joga na parede
e nos obriga a repensar a própria vida.
Essa pergunta tão fatal e malfadada
vem de dentro,
rasga o cérebro e a razão abençoada;
rasga a alma já tão cheia de serviço,
semi-desesperada.
Essa pergunta que não cala,
não se aquieta e quer resposta.
Essa pergunta sempre sobe de repente
sem contexto e sem escala.
Quem sou eu?!
[Adhemar, 01/06/2007]
"That is the question!"
Essa pergunta tem uma co-irmã - "o que eu estou fazendo aqui?!". Nem sempre andam juntas, graças a Deus! Mas a resposta para ambas é o modo como vivemos a nossa vida. Eu acho…
Adhemar, 26/06/2008.

2 comentários:

Adh2bs disse...

COMENTÁRIOS ORIGINAIS FEITOS À ÉPOCA DA POSTAGEM NO ARQ&POE:

Comentário por Daisy — quinta-feira, 26 de junho de 2008 (09:47:48)
Amigo, você, como todos nós, somos filhos. Como tal, aprendizes cotidianos.Há os que cabulam aulas, os que se empenham, até aqueles que seguem milhas à nossa frente.
De qualquer modo, entretanto, alunos de Deus.
Então, façamos por onde!
Grande abraço.
Daisy

Comentário por Natália Lima — quinta-feira, 26 de junho de 2008 (10:36:58)
Gostei da poesia. Nos leva a doce e confusa questão do “quem sou eu?”. Somos o que queremos, pensamos ou o que querem que sejamos??? ahahah
Eu ando com tantas atividades ultimamente que nem tempo p/ as escritas poéticas tenho mais. Mas vou seguir sua sugestão e qualquer dia desses coloco algumas das minhas criações lá no Blog.
Ah! Recebi seu e-mail sobre o concurso. Obrigada.
Bjos

Wanderley Elian Lima disse...

Acho que essa pergunta atormenta a todos nós, o problema, e que não sabemos a resposta.
Abraço