sábado, 7 de dezembro de 2013

DO SILÊNCIO SOLENE

"Quando nada houver para ser dito, cale-se! Nada pior do que a verborréia inútil e desnecessária, sem conhecimento de causa e totalmente gratuita; tolamente desperdiçada. O grande pensamento conselheiro, representado na quietude do momento, antecede a grande frase, o resumo do absoluto: o que pode ser dito direta e objetivamente, acrescentando mais um passo na trajetória do assunto."
"É uma ciência. Palavra por palavra formando a grande teoria filosófica, simplificadora dos processos e meios de vida, enfim, assim definida em rasos e cortantes conceitos. Breve reflexão, conciso pronunciamento; que só deverá ser replicado após outro circunspecto hiato de sons e de caos."
"A organização precisa e contundente dos pensamentos mais íntimos vai ecoando pelas paredes da idéia geral que se necessita provar. Calmamente. E a idéia geral vai se construindo ponto a ponto. Entre um gole e outro, olhares penetrantes e suspiros profundos. Não seja idiota, não se deixe enganar. Fale do que não sabe com poucas e curtas frases, sustente com classe a sua tese, mesmo diante de um especialista. Mas apenas utilize o cerne da questão. E, se mesmo assim estiver perdendo a discussão, responda apenas com um solene silêncio essencial."
[Adhemar - S.Paulo, 13/12/2004]
Tese aplicada
Escrito após uma conversa de boteco onde estavam reunidos em torno de uma mesa diversos especialistas em generalidades.
Adhemar, 10/04/2008.

Nenhum comentário: