Pesquisar este blog

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

NEM SEMPRE

No  mistério-luz
iluminada imaginação,
vai dizer que não,
forma de cruz.

Feridas nas mãos
de um sangue em vão,
vermelho ou vermelhão,
irmandade irmãos.

Faltos de fé,
da fé que vem da verdade;
não da abundância ou necessidade
que sente mais ou até.

No mistério-escuridão,
noite apagada de dor
iluminada de amor,
forma de coração.

Fé que só vem depois
laranja alaranjada,
vermelha avermelhada,
tudo de dois.

Pássaro da paz,
branco da paz que só,
soa melhor,
soa mais.

No mistério-azul,
pernas que andam por aí;
noite apagada aqui,
forma de baú.

Saudade "desguardada",
mistério ferido
de um sangue perdido
e os pássaros em revoada...

[Adhemar - São Paulo, 20/11/2011]

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

PASSEIO, ANDANÇA!

PASSEIO
Passo flutuando pela cidade, amontoados prédios, amontoados carros, multidão. Vejo centenas de rostos iluminados pelo sol da tarde, distorcidos pela perspectiva do movimento e pela névoa emanada pela aura das pessoas. Fachadas e vitrines se sucedendo, luzes piscando e ruídos tipicamente urbanos se misturando com a algazarra do povario. O tépido calor vespertino e o amarelo do azul do céu se distanciam na densa poluição visível. Mesmo assim há o ar para respirar e muito movimento pra ver.
ANDANÇA
Nos caminhos que tenho percorrido Deus tem me mostrado tantas coisas para aprender e pra evitar. Apenas imagens, pequenos fatos, atitudes de terceiros. Aprendi a caminhar de olhos abertos para além das aparências superficiais. Se isso tem me valido de alguma coisa é algo que ainda não sei. Só sei que preciso prosseguir e Deus também tem me mostrado aonde ir. São caminhos suaves, arredondados, docemente perfumados e liricamente iluminados. Ele tem provocado a mudança de ângulo para que a vista seja uma nova filosofia:  a filosofia de um interminável aprendizado…
[Adhemar - São Paulo, 26 e 27/05/2006]

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

CATORZE VÍTOR

Tanta vida por vir,
tanta vida vivida;
colorida em vívida matiz
e divertida.

O futuro há de chegar
como o passado passou
nesse impasse ser-estar
aonde estou.

Nem adulto nem criança
nem vagando no espaço;
passos firmes, esperança
sem cansaço.

Consciência, importância,
razão, inteligência;
alguma beligerância,
eficiência!

Braços abertos, coração,
estudante e atleta.
Muita firmeza nas mãos,
a mente aberta.

És um ídolo de fato,
referência essencial
de amor e de um abraço
especial...

P/ VS
[Adhemar - São Paulo, 25/02/2014]

FELIZ ANIVERSÁRIO


Ao Vítor, meu caçulão (quase 1,80 m, já!): parabéns, meu chapa; que Deus te guie na jornada com saúde e perseverança em tudo o que você planejar. E o velhão aqui pra te emprestar o ombro, te incentivar e proporcionar o que puder pra te ajudar.
Grande abraço, beijão!

Adh pai, 25/02/2014

sábado, 22 de fevereiro de 2014

CRONÔMETRO

Depois de um tempo é que a gente percebe como sente falta do lugar aonde está! A gente se ambienta com o que é bom e acostuma logo! Se vale a reflexão, nosso espírito assume o espírito do lugar - nosso lugar neste mundo - identificado com o que a gente tem de melhor.

Deveríamos assumir outros compromissos diferentes, conosco mesmo, identificando os fatos e fazendo a vida valer cada minuto abençoado que nos foi cedido em comodato; para quando formos dar "contas", termos saído no lucro da forma positiva como vivemos até então e produzimos gente em nossa volta com sentimentos grandiloquentes nos circunstantes. Mostrar a Deus que fizemos por merecer a concessão que fruímos, os instrumentos, a inteligência e o coração que Ele nos deu.

Depois, poder contar aos netos, como exemplo, uma existência pontuada de boas ações, de manejo controlado do ambiente em comunhão com a natureza e com outros viventes. Viver na certeza de passar aos descendentes uma generosa carga de bondade, intenções puras e verdade.

Finalmente, ter as "contas" aprovadas por Deus e obter uma nova oportunidade neste mundo ou uma passagem pelo paraíso, como por exemplo, Ilhéus...


[Adhemar - Ilhéus, 27/01/2008]

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

CULPADO

"Procura-se alguém, maior de fato,
com grande envergadura,
força moral e expediente."
"Procura-se alguém inteligente para solucionar charadas,
alguém que encare de frente desafios e fachadas."
"Procura-se alguém realista,
com os pés por dentro dos sapatos;
mesmo que seja de sonho, mesmo que de fino trato."
"Procura-se alguém para dividir o apartamento
e com grande força física pois o ‘apê’ é de cimento!"
"Procura-se alguém que saiba tocar piano,
que deixe o ‘trampo’ em segundo plano,
vigie o gato e frite o peixe."
"Procura-se alguém que saiba ler poesia,
ombro amigo e lenço pra lágrima e dispense a hipocrisia."
"Procura-se alguém pra acampar no mato,
que cozinhe, ajeite a roupa e lave os pratos."
"Procura-se alguém pra sócio,
que entenda do negócio e aumente o capital."
"Procura-se alguém especial,
que saiba sair de cena assim que baixa o pano:
em resumo, procura-se um ser humano."

[Adhemar - São Paulo, 04/05/2006]

SER HUMANO
Ao A. C. Sanna, um desses raros seres humanos, dedico esta reedição. Um grande abraço pelo seu aniversário. 
Adhemar, 21/02/2014.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

PINTURA

Falta o ar,
falta a palavra.
De repente assim, sentindo mal,
um grande nada.

Falta um suspiro,

falta um aval
do coração assim, meio panaca,
entre tanta alegoria e carnaval.

Falta um por quê,

falta uma faca
pra cortar a dor de um dia inteiro;
entre tantas penas, tinta fraca...

Falta a voz,

falta o tinteiro,
pra carregar nas cores dessa tela;
com lágrimas vermelhas, olho vermelho.

Falta cor

nessa bendita aquarela
onde molham-se pincéis sem paradeiro,
onde dormem os palhaços, picadeiro...


[Adhemar - São Paulo, 05/10/2011]

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

NÁDIA (TNQ)

Quisera eu descrever a trajetória dos cometas.
Quisera, poeta, descrever o espaço e os astros.
Nem astrônomo - quisera - saber como são estrelas
certas pessoas que vão muito além dos fatos.
Pessoas que por direito adquirido,
são mais altas, são melhores, são mais fortes.
Tem um rumo muito certo e definido,
não dependem do destino e nem da sorte.
Sempre presentes em horas certas ou erradas;
pessoas que passam a vida dedicadas
ou ao trabalho ou aos cirunstantes.
Nunca omissas, ou ausentes, ou cansadas;
muito vivas, entusiasmadas e vibrantes
que são amadas em todos os instantes!
P/ Nádia Iandoli de Oliveira Braga, Dra & TNQAdhemar - 14/02/2009.
TNQ
Não sei quem criou a sigla para a “Tia Nádia Querida”; se foi a própria, se foi algum sobrinho puxa-saco (que não este). No entanto, é bom que se registre, trata-se da irmã mais nova de minha mãe. Neurologista de respeito e renomada, tia de primeira grandeza, é grande companheira de nossas andanças quando éramos todos mais jovens, animadora e criadora de festas, cuida hoje praticamente sozinha da D. Júlia - mãe dela e nossa avó já apresentada aqui. Ainda por cima, vive seu conto de Pigmalião impelida por amor além da compreensão dos outros mortais e certa do que quer viver e de onde quer chegar; e que ninguém tem o direito de julgar. É um desses gênios da humanidade que dá um banho no assunto que domina e não sabia como se faz água quente (agora já sabe também!). É uma das raras pessoas - em minha opinião - que tem o direito de fazer o que bem quiser pelo que já deixou ao Brasil e ao mundo (ela e o Pelé). Enfim, TNQ, parabéns pelo seu aniversário, aceite este modesto testemunho de apreço e admiração.
Adhemar, 14/02/2009.
TNQ 14/02/2014
Valem os mesmos votos de 5 anos atrás, trazidos do blog anterior... Alguns fatos mudaram, D. Júlia não está mais por aqui. Mas o apreço e consideração continuam os mesmos ou maiores...
Grande abraço, Feliz Aniversário e muito muito obrigado, sabes porquê...
Adhemar, 14/02/2014.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

SEM FIO

Ela tem um sorriso cativante
Ora está feliz, ora ensimesmada
Tem dias que é discreta e reservada
tem outros em que está esfuziante.

Ela tem uns cabelos bem compridos
e também ela tem um passo grande
Num gesto exagerado ela expande
explicações confusas de olhos tímidos.

Ela tem um bom dia animador
Ela sabe ser bem simples e direta
Ela é tranquila e discreta
mesmo assim tem um jeito sedutor.

Ela é uma generosa amiga
o seu jeito normal é ser assim
Quando tem uma flor bem colorida
ela vem meigamente e traz pra mim...


P/ SM
[Adhemar - São Paulo, 19/04/2012]

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

MOTO-CONTÍNUO DE POETA

Levo os meus dias de poeta me repetindo,
me procurando,
me perdendo nesse desencontro de nós mesmos.
Até que me assusto ante um espelho
e esse velho com ar de menino
me espiando,
meio sorrindo,
vagamente conhecido
desembestando.
Levo os meus dias de poeta me achando,
pedaço por pedaço,
me torturando nessa lida,
no cansaço,
me produzindo e blasfemando.
Até que me encontro por inteiro,
ex-despedaçado,
catado e recolado
num enorme devaneio.
Levo os meus dias de poeta jogando,
apostando,
uma mão imprecisa, imperfeita,
perdendo e blefando;
me construindo e maldizendo
esse destino feito de rimas,
ou nem tanto,
de papel e muita tinta,
muito tema
sem parada e sem descanso!
P/ Hellinho Ferreira (do blog “relatos e belas mágoas”)[Adhemar - 01/02/2009]
Recanto
Texto iniciado em 01/12/2008 em comentário no blog desse poeta cujas qualificações como tal dispensam qualquer comentário.
Adhemar, 24/02/2009.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

BANDEIRAS

Cidades-satélite.
Acompanhamento.
Movimentos inesperados,
presenças ausentes.

No alto do mastro,
um vento contente.
Transcendências,
continentes.
Oceânicas travessias,
estrelas cadentes.

A presença no beijo incandescente.

Assuntos pautados,
reuniões pendentes.
Os temas marcantes,
esperas presentes.

A vida no fio de um curto pra sempre.



[Adhemar - São Paulo, 22/12/2010]

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

TRALHAS

Tantas palavras, tantas mentiras...
Indisposição em horas tortas.
Devoluções, revoluções incompreendidas,
muitas saídas, poucas portas.

Vidas desperdiçadas, presumidas,

adivinhadas em leituras indistintas.
Longas esperas em filas resumidas,
muitas cores, poucas tintas...

Providências tontas, enumeradas resoluções.

Ações fortes, mortes anunciadas,
pacotes desfeitos em malfeitos corações.

Tantas vidas e mentiras desmesuradas

nas mais inúteis e variadas condições;
muitas salvas, das alegrias esperadas...


[Adhemar - Santo André, 28/08/2013]