segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

PINTURA

Falta o ar,
falta a palavra.
De repente assim, sentindo mal,
um grande nada.

Falta um suspiro,

falta um aval
do coração assim, meio panaca,
entre tanta alegoria e carnaval.

Falta um por quê,

falta uma faca
pra cortar a dor de um dia inteiro;
entre tantas penas, tinta fraca...

Falta a voz,

falta o tinteiro,
pra carregar nas cores dessa tela;
com lágrimas vermelhas, olho vermelho.

Falta cor

nessa bendita aquarela
onde molham-se pincéis sem paradeiro,
onde dormem os palhaços, picadeiro...


[Adhemar - São Paulo, 05/10/2011]

Nenhum comentário: