quarta-feira, 21 de maio de 2014

AUMENTO / SEQUESTRO

AUMENTO
"De repente, o tempo ganhou uma dimensão inesperada. Estendeu-se quando parecia curto e acabou quando parecia eterno."
"Então deu-se que o tempo - que nunca é tão dado - foi outorgado, concedido; generosamente transformado num grande instante."
"De repente, instável e acelerado, desligou-se o tempo na história e no acontecimento, como um velho senhor ranzinza e mal humorado."
"Então, nessa fluidez intermitente foi-se o tempo, esgotou-se o largo instante no seu vão momento. E como só é capaz o tempo, passou, voltou e passou de novo como uma vingança ou uma brincadeira boba: envelheceu tudo o que tocou."
[Adhemar - Santo André, 09/11/2005]

SEQUESTRO
"Hoje capturei a pequena idéia furtiva e passageira, fugidia e brincalhona, fugaz e volátil! Revoluteou, provocou mas passou perto demais. Rápido como nunca antes fôra, estendi as mãos e fechei os dedos em torno de seu pescoço frágil. Assustada e escorregadia, ainda tentou desvencilhar-se, dar meia volta; mas foi inútil."
"À força de meu apelo, acabou ficando quieta. Porém, nos estranhamos. Quando levantou os olhos, deu comigo fitando-a de frente, tenaz e algoz…. Ou compreensivo e libertador?! Momentos depois, conversávamos. Não íntimos, nem enamorados mas como quem caminha em campo minado. Todavia, minha determinação limitou um terreno dentro do qual ela podia mover-se, sem pressa e sem pressão. Nada de tentar a fuga, também não pedi resgate. Tudo muito definido e tudo muito vago, aparente contradição surgida do nada advogando pela cativa pequena idéia."
"O céu, então, anuviou-se. Se ela invadira o meu espaço - clara como um dia de sol -  registrou-se em mim e se pôs em minha boca para ser divulgada: como quem quer direito autoral, nome na capa e título de biblioteca! Por que não posso retê-la, contê-la, imprimi-la, espalhá-la a meu gosto e contentamento?"
"Passou a se desenrolar um julgamento. Ré, parida de mim, esvoaçante e diáfana, mais acusadora do que vítima. Sutil, reservei para mim os papéis de jurado e juiz. A pequena idéia gaguejou contraditória; já não sabe mais o que diz. É minha a sentença que a espera; são os anos que ela me fizera recluso!"
"Confuso, aturdido e satisfeito, ponho em marcha o veredicto: te escrevo, te imprimo e te expulso!"
[Adhemar - São Paulo, 10/05/2003]

Um comentário:

Adh2bs disse...

Comentado no original:

Comentário por isa — quinta-feira, 17 de abril de 2008 (14:45:12)
Pois é… enigmático isso… o tempo tudo leva e tudo traz… tudo desfaz e refaz…implacavelmente, absolutamente TUDO obedece a sua ordem…
Gostei, me fez pensar…
Uma beijoka

Comentário por Marco Luiz — quinta-feira, 24 de abril de 2008 (15:15:49)
Isso me lembra algo como “Reflexões sobre o tempo numa tarde solitária”, interessante, não?
Cada vez mais suas poesias têm cara de música.