domingo, 14 de setembro de 2014

CANTO

          Barulhos não me incomodam mais, ruídos estranhos de um momento aprisionado numa fotografia. Aliás, este outro mito derrubado; não se aprisiona o momento, apenas se copia e imortaliza o fato, continuado depois, ao sabor do tempo…
          Arrastando consigo a memória, ávore tênue mas firme, curvada pelo vento, em ruídos e lembranças a foto guarda em seu fundo o som ambiente do momento. Experiente, indiferente, qual a diferença de não se assustar nem um pouco com a lembrança desses sons perturbadores…?

[Adhemar - São Paulo, 30/07/2000]

Um comentário:

Adh2bs disse...

Comentário por Daisy — quarta-feira, 14 de janeiro de 2009 (21:30:18)
Amigo, obrigada pelos votos de Ano Novo.
Certo que ando sumida, mas não perdida por aí!
Estive na praia, comendo o que não devia, bebendo o que absolutamente sou proibida… além de muito sorvete de chocolate.
Para uma desintoxicação generalizada, algumas providências urgentes tive que tomar para prosseguir na luta!
Para você também desejo, de coração, um ano 2009 (11 de iluminação), gerido pelo Sol (iluminação novamente). Que estejamos preparados para o vem.
Papai do Céu não escolhe os iluminados, mas ilumina os escolhidos!
Muita luz para você, para a família… para esta fantástica forma de expressar amor, paz e dignidade de filho, que honra o Pai.
Grande beijo.
Daisy

Comentário por isa — quinta-feira, 15 de janeiro de 2009 (08:42:29)
Tem razão… mas o problema é q sinto que alguns momentos me aprisionaram, e que todo o esforço que tenho feito para me libertar deles tem sido insuficientes…
Mas tvz seja pq o momento da minha libertação ainda não chegou… ou não?
Ai ,ai ,ai…
Obrigada por me fazer pensar nisso…
Bjokas

Comentário por TATIANA REZENDE — quinta-feira, 15 de janeiro de 2009 (15:27:46)
Aprisiona-se o momento, mas o tempo o destrói…