sexta-feira, 5 de setembro de 2014

DESCARRILHANDO

Saí para ver a vida,
otimista, esperançoso;
passando das janelas à vista,
alegre e bem disposto.
Saí para ver a vida
tão próxima e tão distante;
livre e arejada perspectiva,
profunda e melhor que antes.
Saí e vi a tristeza,
o descaso, a indiferença;
o desespero, a pobreza,
desesperança e descrença.
Vi os contrastes, as preces,
ouvi súplicas e gritos;
pedidos a Deus, de benesses
e de acuda-nos ou estamos fritos.
Saí chocado e intrigado
porque fui passageiro dos fatos.
Nos trilhos, o destino gravado.
O futuro, um saco de gatos.
{Adhemar - Osasco, 16/08/2002]
No trem
Escrito ao contemplar a "paisagem" vista da janela do trem no trajeto de São Paulo a Barueri.
Adhemar, 28/07/2008.
Em tempo: se meu Velho estivesse entre nós, ele e a minha "Véia" fariam 46 anos de casados hoje!

Um comentário:

Adh2bs disse...

Comentário por isa — terça-feira, 29 de julho de 2008 (11:14:28)
É… somos todos passageiros de um mesmo bonde… as vzs a infelicidade e a maldade dos outros passageiros afetam o nosso humor e escurece a nossa paisagem.
Mas devemos persistir na nossa viagem com fé e esperança, acreditando que com a nossa alegria interior possamos contagiar aos que nos cercam…
Será utopia???
Beijokas… ótimo dia “procê”

Comentário por Daisy — quinta-feira, 31 de julho de 2008 (09:16:25)
Às vezes parece mesmo que somos passageiros da vida. Mas, basta que observemos os cenários e acabamos descobrindo que os cenógrafos somos nós mesmos!
Grande beijo.
Daisy