quarta-feira, 3 de setembro de 2014

ESSÊNCIA

E veio a tão ansiada chuva.
Ansiada por quem?
Agricultores? Meteorologistas? Índios?
Estou sempre esperando a chuva.
Não moro em Manaus, nem em Londres,
não sou flagelado desenganado de sêcas.
Agora chove granizo.
Palavra suave - granizo.
Apesar do ímpeto, da força e do barulho,
parou - derreteu.
Gosto de tomar chuva.
Até ficar ensopado no mais recôndito da alma
e dos ossos.
A chuva lava as ruas, telhados, quintais.
Tira o sêco da terra, da garganta,
das plantas.
Gosto de jogar bola na lama;
nada mais lúdico, louco e divertido.
Olhar para cima e deixar a água bater no rosto,
lavar a cara.
Chove pra alegria, chove pra alagar.
Água, divina benção,
primeiro berço da Criação.
E, se pensarmos bem,
água é quase tudo o que somos.
Bem vinda, chuva.
[Adhemar - S. Paulo, 13/02/2004]

Um comentário:

Adh2bs disse...

Comentário por isa — sexta-feira, 9 de maio de 2008 (23:19:43)
Banho de chuva, tem cheiro de infância… nossa como é bom!!!
Mais uma vez obrigada pela visita.
Um ótimo domingo p/ vc tbém…
Bjokas