sábado, 13 de setembro de 2014

LAÇO

O que acontece com a gente,
tão instável quanto a tempestade,
inconstante como o vento,
querendo alguém em pensamento
e criando laços de outro lado?
De uma aproximação,
o mais terno afago;
do outro lado a ausência
como ondas num lago.
Uma mesa fria, eu me deito,
fecho os olhos e imagino
toda a vida presente flutuando.
Ah! Meu Deus, isso é castigo,
ora me enredo no visgo
e acho que não vou escapar.
Chego tarde, de fora, da noite.
Vindo da rua, acompanhado pelo silêncio.
Encontro o caderno aberto, esperando.
Página em branco, futura poesia.
Os pensamentos coloridos vão se multiplicando.
Tantas coisas pensadas, bonitas
e, recordando,
revivo um pouco o silêncio de outrora.
Calmo, sentado em frente ao papel,
continuo procurando.
Subitamente,
de tão distraído e cansado
- é já, tão tarde -
eu me levanto e vou embora.

[Adhemar - São Paulo, 24-28/08/1987]

Um comentário:

Adh2bs disse...

Comentário por isa — quarta-feira, 12 de novembro de 2008 (09:00:49)
Bom dia meu amigo,
Vc é fantástico…como sempre me surpreendo com as suas poesias!
Uma beijoka
Isa

Comentário por Manhosa — quarta-feira, 12 de novembro de 2008 (11:41:35)
Estavas lendo o meu Eu… quando escreveste LAÇO…
Encontros e desencontros…
Querer… mas… temer…
…Risos…
Bjs.