Pesquisar este blog

sábado, 13 de setembro de 2014

LAPSO

Uma parada no tempo corrido;
como se em viagem, um abastecimento;
como se numa trilha - um descanso.
Uma parada, uma pausa entre dois acordes.
Como acordar interrompendo o sono, plena noite,
como largar o garfo para mastigar um alimento.
Uma parada na leitura dinâmica
como se para olhar pela janela.
Como olhar, não vendo, distração.
Uma parada no tempo.
Como se dando um tempo para recuperação.
Como se para dar tempo de pensar em outras coisas.
Uma parada. Assim, no meio do nada.
Como se para afogar um aborrecimento.
Como se parar fosse uma solução do tempo.

[Adhemar - São Paulo, 13/05/2008]

Um comentário:

Adh2bs disse...

Comentário por Hellinho Ferreira — quinta-feira, 13 de novembro de 2008 (00:08:55)
Saudações mestre!!!
Uma parada, não deve resolver muita coisa. Mas o descanso pode clarear a mente pra vôos melhores…
Abraçuss

Comentário por Deylla Nara — sexta-feira, 14 de novembro de 2008 (08:03:54)
Ah se todo mundo parace…
Lindo poema.
Obrigada pela visita!