Pesquisar este blog

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

MECÂNICA


Um peso pendurado num eixo,
um pêndulo;
balança de dois braços
e um dinamômetro.
Um frio contrapeso
por um fio "contrapreso".
Liberdade limitada 
pelo fim assinalado;
Trajetória curta,
peso controlado.

Balança de dois pratos,
potes,
tubos de ensaio.
Um laboratório equipado.
Água na bancada,
banco rotatório,
contagiros, geiger,
giros contados.
Contatos, contatores,
lapsos, episódios.
Outros experimentos,
novos relatórios.
Um êmbolo, um reagente,
um frasco delicado;
uma geladeira quente,
um forno resfriado.

Um amor,
uma enfermeira,
um passado.

[Adhemar - São Paulo, 15/03/2004]

Física...

Isso é que dá soltar poeta em laboratório...

Adhemar, 01/10/2008.

Um comentário:

Adh2bs disse...

Comentário por Laiz — quinta-feira, 2 de outubro de 2008 (08:40:06)
eh isso que dá mesmo…
faz poesia de infimos detalhes.
Beijos!
Belo!