segunda-feira, 15 de setembro de 2014

MUDANDO DE ASSUNTO

Numa palavra, uma virada.
Muda-se o tema da conversa.
Num instante contava-se piada;
no outro, uma disputa controversa.
Erguem-se as vozes numa acalorada discussão.
Erguem-se os copos para um brinde qualquer.
Num instante fala-se de assuntos do coração;
no outro, fala-se apenas de mulher.
E o futebol então, sempre presente.
Más notícias de política ou de economia.
Nesse ritmo, mesmo que não se aguente
pede-se mais uma e a conversa se esvazia.
Entre dúvidas e certezas se navega
nessa ebulição da mente etílica.
Uma tese que se prova ou teoria que carrega
a se provar numa experiência empírica.
A família e o trabalho - corolários -
e lembranças e memórias mil…
Amigos mortos, casamento, aniversários,
o mundo em geral e o Brasil.
Até que o que morre é a conversa,
cada um ensimesmado e pensativo.
Pede-se a saideira que desperta
e que devolve a cada cela o seu cativo…
[Adhemar - São Paulo, 04/10/2008]
Mudando de palavra
Onde se lê “cela”, no último verso, pensei em trocar por “vida”; mas preferi deixar como estava no original. Adote a expressão que melhor lhe parecer…
Adhemar, 19/04/2009.

Um comentário:

Adh2bs disse...

Comentário por Manhosa — domingo, 19 de abril de 2009 (12:12:32)
… risos…
Simples e normal… em uma fase da vida… um fim de dia entre amigos/entre amigas…
Muitas vezes uma simples desculpa para não voltar muito cedo para a cela… risos…
Bjs.

Comentário por Ylago — segunda-feira, 20 de abril de 2009 (09:28:34)
Tchê! E mudando de assuto. Tu viu os 8 que o colorado meteu no Caxias? rsrsrs
Vou ler “vida” em vez de cela… Senão não entendo!
Abração!

Comentário por Gabriela — terça-feira, 21 de abril de 2009 (16:02:28)
mt bom o poema…me senti na mesa conversando e acompanhando os assuntos tb!!
=)