sábado, 6 de setembro de 2014

TIA NILCE

Para aquela que está na lembrança de todos nós,
o meu mais sincero olá.
Olá.
Estás morando no céu de cada coração.
O que foste aqui, ainda és.
Mas com a diferença que não mais despercebida;
é, como foi mais importante,
uma senhora lição de vida.
Sopra-nos daí a generosidade tão divina
que, desde menina,
Deus te deu
e tão bem usaste.
E é só.
Só o que precisamos
para continuar o que tão bem tu começaste.
Para tia Nilce
[Adhemar - 18/11/1987]
Tia Nilce
Das cinco filhas de meus avós, era a do meio, imediatamente mais velha que minha mãe. Saiu de cena no final de janeiro de 87. Naquela época, morava conosco em casa, e com as duas "praguinhas" (que a gente adora até hoje, Andréia e Nelsinho). Estava muito doente mas ainda me recebia acordada quando eu chegava da faculdade, tomávamos chá e engatávamos ótimas conversas madrugada adentro (as dores que sentia não a deixavam dormir). Nunca se queixou da doença. Falava dos filhos com enorme ternura. E do futuro como se fosse pra sempre.
O Nelsinho herdou seus olhos azuis, já é pai de família; Andréia traz o instinto protetor da mãe, e é uma sonhadora; ambos, sua enorme doçura, embora isso nem sempre se manifeste…
Adhemar, 11/07/2008.

Um comentário:

Adh2bs disse...

Comentário por Daisy — sexta-feira, 11 de julho de 2008 (11:31:30)
Sigo imaginando que você foi abençoado especialmente. Da forma como descreve sua família, parece-me que Deus tenha reservado para você a fortuna do afeto.
Grande abraço.
Daisy

Comentário por Nelson Marino Calil — sexta-feira, 11 de julho de 2008 (17:14:51)
Parabéns, Adhemar.Você escreve com sentimento, o que é primordial.
É verdade que o tema ajuda… A Nilce, entre outras virtudes que tive o prazer de conhecer, foi quem mais me incentivou para já meio velho, fazer um curso superior, e quem me ensinou a me abrir, soltar para fora os meus sentimentos, que antes eram sempre reprimidos.
Um abraço e continue sendo o Adhemar que és…