sábado, 31 de janeiro de 2015

"ESTEMPASSO"

Um passo para o futuro.
Um posso.
Uma posse pra eternidade.
O passado,
uma forma de seguro
onde cabe a saudade.

Fim do tempo,
final da história.
Uma posse transitória,
contrariedade.
Uma forma de passado
onde cabe a saudade.

Um passo pra tempestade.
Temporal.
Uma têmpora latejando,
uma salada sem sal.
Contrabando,
onde sabe a saudade...

Uma batalha pra frente,
um embate.
Uma posse adiantada.
Um aumento.
Contratando,
um lamento de saudade....


[Adhemar - Santo André, 11/12/2014]

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

PARTÍCIPE

Portas que se abrem,
partes que se partem.
Mãos vazias - 
levantadas - 
um balanço que importa.

Mãos distantes,

lenços brancos que se agitam;
versos livres que acenam
despedidas imprevistas,
palpitações de adeus.

Ares que se navegam,

mãos que se importam,
chamadas atendidas,
flores que se abrem.

Portas que desabrocham,

mãos que sangram...


[Adhemar - Sobrevoando a Argentina, 02/01/2015]


Estátuas em Renca, Chile (foto: Adh2bs)

Videiras em Cucaraví, Chile (foto: Adh2bs)

Casas azuis em Casablanca, Chile (foto: Adh2bs)

Concha y Toro, vinhedo (foto: SM)

Concha y Toro, sede (foto: SM)

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

PRECIPITAÇÕES

Muito tarde pra ficar,
muito cedo pra ir.
Numa tela azul de andino emoldurar,
atenções, calor, adeus, partir.

Muito ficou por ver,
outro tanto pra sentir;
ausência pra estabelecer
anuência pra não ir.

O amor está no ar,
no jeito tranquilo de ser;
alguém para acompanhar,
emoções pra desenvolver.

Na leveza insustentável do ser,
uma incerteza de Kundera.
Uma afinidade formada,
estrada pavimentada,
churrasco, sucos, videira,
vinho, sentimentos, mais nada.

Atravessando a estação feita ribalta
ou ajoelhados diante da imaculada
pedimos as bençãos de uma volta
breve, ligeira, encantada...!

[Adhemar - Santiago de Chile, 09/01/2015]

Estátua da Virgem Imaculada no Cerro San Cristobal (foto: SM)

Vista dos Andes a partir do restaurante Giratorio (foto: SM)

Escultura numa estação de metrô (foto: SM)

Museu de Arte Contemporânea (MAC), Santiago (foto: SM)

Edifício em frente ao MAC (foto: SM)

domingo, 25 de janeiro de 2015

MENÇÕES

Quero voar,
braços abertos sobre a Guanabara (*)
sendo uma corrente migratória
para nosso Porto Seguro

Salto da plataforma sem rede,
sem água
Pego carona no vento
quase sempre

Quero voltar,
pra sair outra vez com minha matilha,
manada
Volto correndo onde estarei novamente

Quero correr,
para o que nos aguarda;

Quero chegar,
pra arrumar outra mala;
conferir o que existe pra frente,
recordar o que trago na alma...

[Adhemar - Santiago de Chile, 09/01/2015]

(*) Verso de "Samba do Avião" (Tom Jobim)

Imagens:

Cordilheira do Andes (foto: VS)

 Palácio La Moneda (foto: SM)

Santiago (foto: VS)

Edif. Costanera Center (foto: SM)

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

"Vai um chiclete, moço?" (*)

            Na semana retrasada fui a um bar/café na Avenida Paulista com a minha namorada. Estávamos apreciando um smoothie de morango quando, como acontece muitas vezes nas principais vias da cidade, fomos abordados por uma menina de rua. Estimei que tivesse entre oito e dez anos de idade. Ela estava vendendo chicletes, cada pacote por um real. Como eu não tinha nenhuma moeda ou dinheiro trocado no momento, educadamente recusei. A resposta dela à minha recusa me surpreendeu e se tornou o motivo da existência deste texto. Ela olhou para mim e disse: “Moço, você não está sendo cavaleiro. Podia comprar um para ela”. A princípio, fiquei desconcertado. Depois, me justificando, disse que eu estava mesmo sem trocado e brinquei que, se ela aceitasse cartão, eu compraria. Mas a sagacidade dela surtiu efeito, prática e simbolicamente. Minha namorada imediatamente abriu a bolsa, pegou dois reais e comprou dois pacotes do chiclete verde (o recomendado pela vendedora-mirim). Além disso, ainda brinca comigo frequentemente relembrando a situação. O efeito simbólico, por sua vez, foi a reflexão suscitada pelo acontecimento: a garota, apesar de trocar cavalheiro por cavaleiro, revelando falha no domínio da língua, demonstrou desenvoltura e espirituosidade de fazer inveja a comerciante experiente.


            O mais intrigante dessa história é imaginar como se deu a formação do repertório daquela garotinha, que a permitiu dar uma resposta tão inteligente e ágil à negação de um cliente. Pela magreza que apresentava e pelas roupas esfarrapadas que vestia (sem contar o fato de estar tentando conseguir dinheiro na rua à noite), deduzi que ela não havia tido oportunidade de estudar até então. Se é que ia à escola, dificilmente teria tempo e condição para se dedicar aos estudos. As hipóteses para explicar as origens da esperteza da menina são diversas: necessidade, experiência, vivência, exemplo... Infelizmente é improvável que eu venha a descobrir. Mas, pelo menos, pude formular duas questões a partir do episódio que valem ser compartilhadas. Primeira, quantos talentos como o dela são desperdiçados por falta de oportunidade para desenvolvê-los? Segunda, quantas histórias fascinantes, como provavelmente é a dela, nunca serão conhecidas? 


[Marco Luiz Netto Braga de Souza, março/2014]


(*) MOÇO DE VINTE ANOS

            Este ano há uma série de aniversários na família que encerram idades "redondas" ou múltiplas de 5 anos; 15, 20, 25, 50, 65, 70... Hoje faz 20 o autor da história acima, estudante de jornalismo e estagiário num portal de internet de um grande veículo de comunicação. Foi escrita para um trabalho da faculdade e, como gostei demais da forma como abordou o tema e da escrita irrepreensível, pedi-lhe autorização para colocá-la aqui neste blog (quiçá para melhorar o nível do espaço...).
            
            Parabéns ao Marco pelo aniversário e pela maneira como escreve, pelo time que torce, pela namorada, pela mãe que tem e por ser meu filho! Grande abraço!

Adhemar, 20/01/2015.

"Auto-retrato": moleque com "auréola" de Santo...


quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Feliz 2015!

          Dois mil e catorze ficou pra trás. Bom? Ruim? Não... Contraditório, às vezes emocionante, mas foi só mais um ano. Este que começa, promete. Precisamos nos lembrar que depende da gente mesmo fazê-lo melhor. Nossas iniciativas e a energia que despendemos na realização das tarefas, dos planos, das obrigações e da convivência com aqueles que nos cercam. Só posso desejar que cada um de nós faça o seu melhor, sob as bençãos do Criador. 

          Deus nos acompanhe e proteja, Grande abraço e Feliz 2015 a todos!

Adhemar, 01/01/2015.