quarta-feira, 17 de junho de 2015

RESPIRAÇÃO

Andanças retirantes.
Silêncio triste
enquanto o sol levanta no horizonte.
Bocas secas.
Silêncio vazio, 
em meio ao rumorejar de passos arrastados.
Passos de pés descalços.
Passos de pouca poeira.

Andanças incertas.
Certezas tristes
enquanto o sol calcina impunemente.
Bocas fechadas.
Esperanças ressequidas 
no eco do grito que não foi dado.
Grito de bocas fechadas,
do pouco espaço pra alimento.

Andanças condenadas.
Destino triste
enquanto o sol se deita no horizonte.
Bocas mortas.
Noite negra em luto antecipado,
sem estrelas e sem vento.
Só um grito sufocado
ante o destino final e permanente...


[Adhemar - São Paulo, 27/08/2012]


Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita.
Ficarei radiante,mas se desejar seguir, saiba que sempre retribuo seguido também o seu blog. Deixo os meus cumprimentos e saudações.
Sou António Batalha.