Pesquisar este blog

sábado, 23 de abril de 2016

FUNIS

Não há promessas mais inúteis ou infundadas
que num único momento possam justificar
ações desatinadas de alma desorientada
que se voltem contra num repique

Não há promessa fácil descumprida
que solenemente se apresente
essencial, tal a própria vida
ainda que do nada
se invente

Não há promessa impaciente
que nos emocione ou atinja
improvisada num repente
ou que só a gente finja

Não há promessa crua
nem pouco pensada
mesmo estando nua
necessária e ousada

Não há promessa
ou cumprimento
que, com pressa
peça movimento

Não há nada
existência
resistente
ciência
ciente

Nunca
nada
não
fim

[Adhemar - São Paulo, 01/03/2014]

Nenhum comentário: