quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

PRIORIDADES

Por Yahisbel Valles

Apesar das generalizações, até que minha eu de 18 anos tinha uma certa razão... E podia ensinar minha eu de agora a ser menos ansiosa...

Prioridades. Quem nunca teve alguma na vida? Quando bebês, nosso único objetivo como seres humanos era ganhar leite. Crescemos um pouco, desenvolvemos o desejo por brinquedos. Aos 6 anos, qual criança não sonhou em ganhar uma bicicleta ou algum bichinho de estimação? Aos 12, não vemos a hora de crescer e pararem de nos tratar como crianças. Aos 14 vamos despertando interesse em namorar. No aniversário de 15 anos as meninas querem uma festa ou uma viagem. Chegamos aos 16 e ansiamos pela nossa liberdade, pela carteira de motorista e por um documento de identidade que mostre nossa suposta maioridade para podermos entrar em uma boa festa. Vem os 17 e os 18, as aprovações no vestibular são nosso maior desejo. E nosso maior medo também. Porém, a cada ano que se passava, as prioridades do anterior, já cumpridas ou não, pareciam não ter a mesma importância de antes. Ganhamos o brinquedo e depois nos enjoamos dele. Viramos adolescentes e o que queremos é o contrário: voltar a ser crianças. Conquistamos a liberdade sem saber direito o que fazer com ela. É que, no fim das contas, nem nós mesmos sabemos onde queremos chegar com tudo isso. Acreditamos que nossas realizações até o momento vêm seguindo o esperado, o planejado, o caminho certo. Que nossas prioridades são tudo nas nossas vidas. Que passar no vestibular é tudo. Que viajar é tudo. Que namorar é tudo. Que seguir a carreira que queremos é tudo. Que festejar é tudo. Não vemos que as prioridades são parte das nossas vidas, não nossas vidas em si. Que temos o resto dela. Um resto não menos nem mais importante: um resto que é o resto de nós também. Essencial para seguir adiante. Conciliar todos os pontos da vida é uma tarefa difícil, mas é o mais sadio a se fazer. Porque, se você se dedicar somente às linhas do desenho, a arte não estará concluída. Existe a pintura, o retoque, a sombra, a perspectiva. No momento, podemos ver, querer, fazer só a linha. Só que assim, depois, ela continuará sendo apenas uma linha. Vazia. Sem graça. Sem expressão. Sem movimento. Sem vida.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

PIRÂMIDE

Sentimentos empilhados.
Poucas letras, pouco espaço;
muito pó sufocado.
Um Neruda sem capa,
um Pablo deslocado.

Sentimentos espalhados,
caídos do monte, derrubados.
Sob escombros, soterrados,
amores incertos, errados.

Sentimentos estragados,
fora da geladeira geral.
Uns no meio da rua;
outros no porão, no quintal.
Vestes da verdade nua
penduradas no varal.

Sentimentos leiloados.
O maior lance sustenta
uma luta muito lenta
por mais dor, mais moral.

Sentimentos num buraco,
pá de cal.


[Adhemar - São Paulo, 12/02/2015]


segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

CARREGAMENTO

Na dúvida, me declaro culpado.
Quantas assumi, não eram minhas...
Disso também sou culpado;
essa mania...

O mocinho da fita, o herói das minorias,
me desmanchando de cansaço
mas feliz pelas alegorias.

O mocinho da fita, idiota e tapado,
sem perceber que apanha o tempo todo
e só no fim é consolado...
O bandido no bem bom, aproveitando;
e o mocinho? Sendo sovado!

Aí, bem no finzinho,
a reviravolta utópica:
o bam-bam-bam encarcerado,
o babaquinha aclamado.
Todo fodido, todo ensanguentado...
Mas, até que enfim,
ganha um beijo da mocinha 
e está tudo acabado...


[Adhemar - São Paulo, 02/01/2017]


Feliz 2017 a todos!