Pesquisar este blog

sexta-feira, 22 de junho de 2018

MORDAÇA

Se eu pudesse falar das coisas simples,
essas que brotam espontâneas
ou no coração ou noutras praças;
talvez ruborizasse,
ou ficasse sem graça;
talvez me entusiasmasse
e em altos brados... bradaria.

Transformaria tais dizeres num discurso
e nem a muito pulso calaria.
Não esperava um pouco
nem deixava pra outro dia.
Certamente ficaria rouco
e vermelho de sem fôlego.

Talvez eu imprimisse um pouco de poesia
e na dureza das palavras
diluísse um pouco de doçura.

Na loucura do assunto e da ironia
eu não me importaria
de emprestar alguma lucidez;
ou então quem sabe,
também talvez,
embutisse umas piadas
recheando de infames trocadilhos,
desbocados, chulos palavrões
e termos bem fora dos trilhos.

Enfim,
se eu pudesse falar das coisas simples
eu as complicaria!

Enfim,
seria essa toda a minha obra:
a poesia de uma vida
mais um dia!


[Adhemar - São Paulo, 21/06/2010]

Nenhum comentário: