Pesquisar este blog

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

RÉVEILLON

          Pela primeira vez, em muitos anos, passei a última semana do ano em silêncio. Esse silêncio que é uma folha em branco. Esse vazio do nada a dizer.
          
Pela primeira vez, em muitos anos, passei os últimos dias do ano apenas rebatendo mecanicamente os votos de Boas Festas, Feliz Futuro. Ecoei palavras repetitivas que - olhando pra trás - tinham tanto significado antes, quando era outro o seu ponto de partida: o coração. Pela primeira vez, em muitos anos, elas partiram do nada.

Pela primeira vez, em muitos anos, não fiz a lista de todos àqueles a quem gostaria de cumprimentar efusivamente, ainda que numa simples mensagem de final de ano. Pela primeira vez, em muitos anos, dei preferência às fórmulas prontas sem retoques nem acréscimos pessoais.

Pela primeira vez, em muitos anos, passei os últimos dias do ano me afogando e me escondendo do mundo; e de mim mesmo. Pela primeira vez, em muitos anos, começo um novo ano sem rumo, sem planos, sem nenhuma certeza e repleto de desenganos, dúvidas, sono...

Pela primeira vez, em muitos anos, olho no espelho e não reconheço o ser humano.


Reflexão acerca da passagem de ano 2017-2018
[Adhemar - São Paulo, 01/01/2018]

Um comentário:

Adh2BS disse...

A diferença de cor das últimas linhas não foi proposital. Tentei corrigir mas fica assim...
Perdoem.

Adh2bs