Pesquisar este blog

quarta-feira, 12 de junho de 2019

DISTANTE

Cativo da própria inquietude.
Centro de convergência definitiva
de sentimentos definidos.
Cativo da tua ausência
sempre presente no íntimo
de íntimas dúvidas.
Ou por acaso, ou por destino,
cativo da tua existência.
Tantas coisas por falar,
tantos frutos por colher...
Mas... 
Tantos limites cativam...

A solidão e a chuva
juntam-se ao pensamento.
Na travessia noturna
há o procurar-te junto.
Disfunções reais de um ser tão livre
sendo tão prisioneiro e fiel...
Buscando em cada estrela
a última palavra da tua boca.
Não ter mais nada a escrever;
só a falar...
Querendo saber
as profundas razões de existir
e querer continuar.

Sentimentos ou desrespeito?
Abertas as portas da incerteza,
qual prisão sem guardas e sem muros.
Um parque pra percorrer,
te encontrar e dizer:
AMOR.


[P/ BSF]
[Adhemar - São Paulo, 13-14/06/1988]

Nenhum comentário: